sábado, 26 de março de 2011

Blá Blá Blás...

Poesias de novo...

"Enfim..."

Não quero a solidão,
ela dói no coração.
Mas quero-a para chorar
as mágoas que ninguém pode entender.

Não quero a solidão,
ela é como uma assombração.
Mas quero-a para lembrar
que um dia amei alguém que se foi.

Não quero a solidão,
ela me faz uma enorme pressão.
Mas quero-a para pensar
que um dia fui feliz sem sofrer.

Não quero a solidão,
ela me traz apreensão.
Mas quero-a para recordar
que algum dia tudo vai passar...

(podre essa hein?)

"Angústia"

Num esforço
de esconder a lágrima
transfoemei-a
em ira, em raiva.
Libertei a Fênix
e destruí a vida.
Não sou eu quem eu sou.
E atrás dos olhos
a lágrima se amarga.
O coração solitário
implode no corpo
e a lágrima corre.
Esta maldita lágrima
que foi apertada
por palavras rudes
que detonaram
o coração ausente
e opaco...

"Melhor Amigo"

Sinto saudades
de um ser inventado.
Sinto saudades
de alguém que não existe.
Sinto saudades
de quem me entenda.
Em meu próprio pensamento,
que não vivo neste mundo,
mas lá me entendem.
Amo
quem nem sabe amar.
Amo
a mim que sou tu.
Amo
o nada, o irreal.
Ninguém vê
essa solidão.
Ninguém abraça
oo meu coração.
Estou sozinha,
e sinto saudades
até mesmo
de minha solidão!


Essa aqui é do aniversário de minha irmã:

"Nos 22"
Numa cultura
a mistura
das raças
comparsas.

Realidade
na humanidade
de gerações
e tradições.

Churrasco
do gado,
assado,
no pasto.

Campestre,
tão silvestre,
tão morno,
um estorvo!

É festa
na fresta
na vida
mantida.

(ui, é de dar dó, né? Cheio de rimas pobres e podres...Coitada da Carolina, minha irmã...)

Agora esse é para o meu aniversário:

"Nos 17"

Algo tão desmerecido
e que merecemos tanto!
Algo tão feliz
e tão irrelevante!
Nos traz honra
e nos traz agonia.
Ganho e perda
de todos esses anos.
Parabéns por viver.
Merecer um presente
por estar viva?
Fazer festa pela vida?
Então porque
pela pessoa?


"Ensaio 41"

Um sorriso
uma esperança
uma saudade
o vento...
Tu.

Gélido olhar,
tristeza.
Solidão a atraiçoar.
Vento...
Uma falsidade,
um nó.

Nenhum comentário:

Postar um comentário