sábado, 30 de abril de 2011

Nem Leiam Isso...

E depois de tudo aquilo fui entendendo que se você ama, tem que deixar livre...
Quer saber de uma coisa? Me apaixonei, me decepcionei (talvez até comigo mesma) e resolvi deixar o amor de lado, sem correr atrás. Mas eis que o amor é uma força, e de todas elas, a mais forte!
Não deu pra vencê-la e  me apaixonei de novo. Mas não foi qualquer paixão, não, foi algo maior!
Eu ainda não sabia, mas era isso mesmo.
E pensando que era mais uma paixão boba de adolescente, eu quis negar o que sentia. Porém o meu "apaixonado" nutriu esperanças em mim. Por pouco mais de um ano, consegui abafar tudo isso, e quando aquela perguntinha que vive em nós -será que gosto dele?- ameaçava  aparecer, eu a reprimia, sufocava-a, gritava não!
E assim foi indo, até que um belo dia, meu coração resolveu ser mais forte que eu. Enfim, me apaixonei, e aquela perguntinha que estava dentro de mim começou a sair para fora, através da boca de outras pessoas (-E o namorado? Não tem namorado? -E aí, muitos paqueras? -E você não vai arrumar um namorado?).
E o que você responde nessas horas? Você não pode simplesmente dizer que não tem ninguém quando você sabe que tem alguém...
E é lógico, com todo mundo tocando a sua ferida, você sente a necessidade de tomar uma providência...E o que eu resolvi fazer?
Resolvi falar com o "apaixonado", calmamente, abordando ele bem devagar e deixando que ele mesmo descobrisse o que se passava. E para minha surpresa e eu acho que dele, ele descobriu mesmo.
Conversamos muito a respeito, ele colocou seus argumentos e eu coloquei os meus. Passou uma noite, e no dia seguinte, comecei a sentir algo inexplicável, que eu nunca havia sentido por ninguém, que começou a apertar meu peito de uma maneira que realmente e sem exagero nenhum, começou a doer.
Doeu muito, muito mesmo! E como eu já disse, é inexplicável descrever o que se passou.
Percebi que eu devia fazer alguma coisa muito rápido, e o que fiz foi "fugir" para a casa das minhas amigas.
Achei que indo para lá, pelo menos eu não curtiria minha dor sozinha, mas não adianta, nesse mundo de hoje, até o msn consegue te perseguir e junto com ele a curiosidade e a vontade de resolver aquela coisa dentro do seu peito.
Pois bem, falei de novo com o dito cujo, e desta vez, ficou esclarecido que não era o momento de ter um relacionametno sério, mesmo se ambos os "apaixonados" quisessem isso. E no fim, eu acabei dizendo que respeitava sua decisão,ele disse que foi o "não" mais difícil que ele teve que dar e resolvemos apenas dar tempo ao tempo...
Então é isso, eu topo dar um tempo, ele topa dar um tempo...mas porque meu coração não topa? Porque mesmo sabendo que temos uma amizade linda e inabalável, meu coração não se convence disso? Porque esse coração se convenceu que precisa ser mais que isso?
Agora a perguntinha que não sai de mim já não é a mesma, e sim -será que eu o amo?
Porque é claro que amar é algo muito difícil de se definir, é algo muito maior que uma simples paixão adolescente...E segundo minhas referências, quando você ama alguém, você o deixa livre, e o que importa apenas é que esse alguém seja feliz.
É claro que você gostaria que esse alguém estivesse do seu lado o tempo todo, mas infelizmente nem sempre é assim...
E eu me pergunto: se eu sei de tudo isso, por que meu coração não sabe? Porque é que aquela dor terrível não passa? Porque tenho perdido o apetite e a vontade de fazer o que eu gostava?
Será possível que fiquemos doentes por causa de uma pessoa? Será que estou ficando doente? Nunca senti isso, e gostaria de pelo menos conseguir expressar esse sentimento...Realmente é uma dor, uma dor no meio do peito, que parece dilacerar o coração, me dando vontade de arrancar ele do peito, me dando vontade de gritar e chorar, ou de correr sem parar e sem destino, ou de querer me machucar para sentir uma dor maior...qualquer coisa para isso parar!
E tudo isso ainda não exprime o que se passa dentro de mim...E eu que reclamava e achava que aquilo que eu sentia quando estava simplesmente apaixonada era dor...tempos bons quando eu só sentia aquilo...Tempos bons quando eu sentia apenas um aperto no peito, quando eu ficava nervosa e recatada de chegar perto do meu "apaixonado", quando eu ouvia o nome dele e pensava nele apenas como "àquele por quem sou apaixonada"...
E hoje em dia? Além desse sentimento, que não tenho nem certeza se é uma dor ou um sentimento,não hajo mais nervosamente quando ele está perto, quando ouço seu nome não penso que ele é só "aquele por quem estou apaixonada", mas penso que ele é o meu amigo mais precioso, a quem eu amo de todo coração, -mesmo que eu não saiba que tipo de amor é esse- que eu quero muito bem, que estou pronta para fazer tudo por ele e que não cosigo viver sem.
E ainda por cima ele me pergunta se eu estou bem...Bom, o que eu posso dizer? Ele não me magoou, eu entendi muito bem o que ele disse e respeito isso de todo o coração. Foi o que eu disse sim, mas é mesmo isso que eu sinto?Sentir e pensar que se sente pode não ser a mesma coisa...E eu disse isso porque se eu dissesse o contrário, eu sei que o aborreceria, e a última coisa que eu quero é vê-lo aborrecido...
Eu estou escrevendo tudo isso agora, porque é mais fácil escrever sem se sentir pressionada...Mas é preciso que fique claro que apenas escrever não expressa tudo o que estou passando. Aliás, não expressa nem perto da metade o que estou passando, mas serve de resenha como num livro...
Eu só queria saber...Isso é amor? Eu estou doente? Porque meu coração não aceita tudo o que já está tão claro e pára de doer? O que é preciso fazer para tudo isso ir embora ou pelo menos se abrandar?
Onde vou encontrar respostas? Será que vou conseguir esperar por ele? Será que quando o momento chegar não será muito tarde? Será que isso que eu sinto é apenas uma ânsia em encontrar respostas?
Alguém pode me ajudar?...

3 comentários:

  1. Nossa...ficou bem comprido...mas pelo menos acho que deu para falar um pouquinho disso aí...mesmo sendo o mínimo que eu pude falar de tudo que sinto...é que não tenho mais palavras para me expressar...

    ResponderExcluir
  2. Que dor! sei lá, nunca senti nada assim... desculpa mas não posso te ajudar desta vez.... bj

    ResponderExcluir
  3. oi obrigada por visitar meu blog!
    ai sei o que vc sente não é facil....
    vou contar meu caso (resumido ta)...Amo ah muito tempo meu melhor amigo tbm...ja fomos namorados uma vez e foi a coisa mais perfeita do mundo, fomos muito felizes, porém infelizmente a vida com suas armadilhas nos fez se separar, tivemos uma briga muito feia e ate hj não sei se ele é culpado ou nao...pois nunk mais consegui olhar para ele, amo - o d+++ e sei ke ele me ama.
    Após terminarmos ele se mudou para outro estado e nunk + o vi apesar de sempre visitar seu orkut e as vezes nos falar por msn....
    Parece historia de novela é complicado tentar ter raiva de alguem + na verdade o amor infinitamente...sofrer, chorar, se calar, mas não ter coragem do orgulho aceitar....é dificil...
    Só sei que não o esqueço e nem consigo gostar + de ninguem, apenas amo ele e o queria para mim....
    é o amor é muito dificil mesmo....

    ResponderExcluir