domingo, 29 de maio de 2011

Estou temendo cometer pecados.
Com este frio todo meu coração gelou.
Não sinto mais meus sentimentos.
Não penso meus pensamentos.
Meu próprio eu fugiu de mim.
Quem sou?
O abraço que dei foi bem dolorido.
O tchau dilacerou meu viver.
Os meus amigos nem são meus de verdade...
Porque agora sou...
SOU ou não sou mais...
Suo sendo um ser que não sou...
Mas vivo mesmo assim...
Tenha compaixão de si mesma!
Agora sou e não sou mais...

quarta-feira, 25 de maio de 2011

As crianças têm
cabelos brancos,
rugas nas faces,
usam dentaduras e
são muito sábias.
Os velhos
não sabem sorrir,
andam frustrados,
trabalham o dia todo,
xingam todo mundo e
nem olham para as crianças...



Shadow of the Day-Linkin Park

I close both locks below the window.
I close both blinds and turn away.
Sometimes solutions aren't so simple.
Sometimes goodbye's the only way.


And the sun will set for you,
The sun will set for you.
And the shadow of the day,
Will embrace the world in grey,
And the sun will set for you.


In cards and flowers on your window,
Your friends all plead for you to stay.
Sometimes beginnings aren't so simple.
Sometimes goodbye's the only way.


And the sun will set for you,
The sun will set for you.
And the shadow of the day,
Will embrace the world in grey,
And the sun will set for you.


[Guitar solo]


And the shadow of the day,
Will embrace the world in grey,
And the sun will set for you.


[Guitar solo]


And the shadow of the day,
Will embrace the world in grey,
And the sun will set for you.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Simples

A luz do fim do túnel
se apagou.
A esperança
morreu.
Tudo
se acabou.
...
De repente
a luz do sol
brilhou.
Um amigo
nasceu.
A felicidade
retornou.
Era ele
que dizia
palavras simples
mas muito fortes.
Coração bateu,
solidão expirou,
amizade venceu!

Desirèe


Fico toda aqui
Ouço,
Assisto,
Saio de casa,
Me encanto,
Aprendo sua língua...
Não aguento ouvir
e todos falavam
de você!
Fico toda aí
inteiramente
Penso nos seus
Esqueço os meus
Esqueço-me
e lembro-te!
Tenho que sair por aí
com a máquina fotográfica na mão
e com papel e caneta
para registrar
todos os seus sorrisos
escondidos nos raios de sol...

Érica

Visto-me de mim mesma.
Abro o zíper, entro dentro de mim,
fecho o zíper, saio por aí.
Agora estou fantasiada de mim.
Faço tantas coisas!
Fico rebelde, morro de raiva.
Mudo a maquiagem, corto o cabelo...
Que importa? Estou fantasiada de mim.
Tudo aquilo que faço
é fingimento da fantasia.
Chamam o meu nome
mas que adianta?
Estou fantasiada e a fantasia
é que responde.
Porém um dia canso de atuar.
Volto ao meu anormal
e saio saltitando feliz da vida
por ser de novo eu mesma...

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Milena Sardela - Lugares Estranhos(Cap.3)

O tubo fazia uma volta e logo após uma descida.

-Áááááá!
-Ufh!Obrigada por amortecer a queda Sira (Sílvia Rabanete)!
-De nada, ui!
-Tu sabes onde nós estamos?
-Não faço a mínima!
-Olhe!Lá tem um pessoal, vamos perguntar.
-Por favor?Ei!Tu não estás ouvindo?Parecem estátuas!
-Sim, são estátuas!
-Ã?Quem disse isso?
-Eu!Prazer, Arquibaldo.
-Oque? Sr.Cucamonga?-perguntou Sira.
-Sim, eu.
-Assassino!Onde está Beatriz?
-Calma Milena, ele parece ser boa pessoa.
-E é...
-Q-quem és tu?Tu és linda!
-Olá!Sou Beatriz, a seu dispor.
-Beatriz?!O Sr.Cristhi está louco da vida te procurando!
-Oh, não!Papá me procurando?
-Ele é seu pai?
-Sira!E...qual o problema de ele te procurar?
-É que ele vai querer prender meu professor, o Sr. Arquibaldo.
-Ele é seu professor?De que?Porque ele te raptou?
-Ele não me raptou, eu fugi!
-Fugiu?Mas porque?
-Meu pai não queria que eu dançasse, o Sr. Arquibaldo se ofereceu para ser meu professor, mas meu pai não quis...
-Ãn!A Sherckried disse que tu já foi raptada antes...
-Sim, um antigo vice-imperador de meu papá raptou-me porque ele queria ser dono do império de papá.
-Ahn!E o que eram aquelas estátuas?
-Armadilhas.
-Armadilhas?
-É, para distrair meu papá.
-Nossa!Coitado!
-Ele bem que merece, não é minha Beatriz?
-Ahn...Não penso assim Sr.Arquibaldo.Ele é meu pai...
-Bem...quem sabe eu posso conversar com o Sr.Cristhi?
-Boa Misa!(Milena Sardela)
-Não!Por favor!Papá não deixará...
-Mas...Tu não podes ficar aqui para sempre!
-Mas...Ele não compreenderá!Já estou aqui há um mês!
-O que?E ele só notou agora?Que irresponsável!
-Ele sempre anda bem ocupado e além do mais, estou bem aqui.

E então, neste momento...
Calop, calop,calop...

-Soldados!Sr.Arquibaldo,esconda-se!
-Mas Beatriz, tu também deves te esconder!
-E vocês?
-Diremos que não encontramos vocês, vá!
Agum tempo depois, o batalhão chegou.
-E então?Viu alguém?
-N-não senhor,n-ninguém.
-Oh!Minha pobre joinha!
-Papá!Preciso conversar!
-Beatriz!!!


-Minha jóia!
-Papá eu...
-Onde ele está?Ele a machucou?Oh!Pobrezinha, eu vou prendê-lo!Você vai fi...
-Não!Ele não me fez mal, ele está me ajudando a...
-A...?
-...a dançar, papai!
-Oque?!!
-Sim, ele não me raptou, eu fugi!
-Oh!Não pode ser...Você é...era minha jóia mais preciosa...
-Eu sinto muito...mas a culpa é sua, tu não me deixou dançar...
-É, eu não queria que te machucasse, e aconteceu ao contrário...faça o que quiser, eu já não tenho mais minha jóia...
-Papá...tu estás me abandonando?
-Ué, tu mesma fugiu!
-Eu sinto muito...eu só queria dançar.
-E eu só NÃO queria que tu dançasse!Se pelo menos fosse alguma outra aula...
-Oh!O que será de mim agora?
-Eu vou prendê-lo, não se preocupe!

E então, Beatriz começa a chorar...




Bom, caríssimos leitores desse blog...considerem que este livro que tô passando para cá foi escrito quando eu tinha só onze anos, portanto me desculpem algum errode gramática ou de escrita...
Se vocês quiserem minha auto-opinião, eu acho que o texto está um pouco confuso, não dá para entender direito quem está falando o quê e nem o que está realmente acontecendo...
Mas não se preocupem, eu tenho aprimorado minhas técnicas de escrita e espero que em breve eu possa lhes mostrar algum livro que estou escrevendo hoje em dia, para vocês e até eu mesma comparar os dois livros e ver como anda a minha evolução no mundo das palavras...
Esperoque tenham gostado, em breve escrevo os outros capítulos do meu primeiro livrinho, o "Milena Sardela".
Tchau, bjusss

Captain Purple

terça-feira, 17 de maio de 2011

O Açúcar


Que é para ser lindo.
Tô esculpindo, tô esculpindo!
Borboleta colorida, liberdade.
Coração de biscoito
dentro do chocolate quente.
Bala-de-goma, minúscula, cristalizada.
Bolo de cenoura que inspira o desenho.
Criança, que dorme quentinha sob o cobertor.
O açúcar mágico.
Era bom, mas matou o gato.
Foi lindo?

O meu Fantasma

O cavalo branco passou hoje de novo!
Eu sei que eu não sou a bela Vassilissa.
Mas sei que há a ligação.
O cavalo branco, a lua cheia e brilhante...
Um lindo pôr do sol, daqueles bem laranja!
Será que a esperança resolveu esperar para desaparecer?
Cabisbaixo, andando a passo lento, sem vontade de trotar...
Ele passou e eu fiquei ali sentada.
Nem notei que ele estava sem cela, sem ferraduras, sem cabresto!
Era livre, e eu só fiquei ali sentada...
Será que terei mais oportunidades de cavalgar?
...

A Lua na Estrada

De repente a lua começou a se mover no céu!
Estava ali, foi para lá, voltou para cá...
-Que grandona que tá a lua!
-Pra onde que ela tá?-perguntou ele.
-Tá pra lá.-respondi.
Mas ela mudou de lugar de novo.
Crescia. Diminuía.Descia e subia no céu.
Sempre muito brilhante, muito grande, muito majestosa.
Dançava, dançava, dançava...
Fiquei encantada com aquela agitação.
E de repente, percebi.
A lua não dançava não, ela não subia nem descia, ela nem se movia!
O carro acompanhava a estrada, com suas curvas, aclives e declives.
A lua sempre ficou lá no céu, no mesmo lugar!
Viu só? E depois eles vêm querer dizer que a vida não é uma ilusão...

terça-feira, 10 de maio de 2011

Milena Sardela-No Lugar(Capítulo 2)

Milena e Sílvia estavam se apertando em meio às malas.
-Ai!Pelo jeito vamos demorar dias para voltar!
-Ora Sira, não reclame, tu é que quisestes vir!
-Eu não a deixaria vir sozinha.
-Ai!Tu me beliscastes!
-Eu?Eu nã...
E neste momento...
Nhééééé
-Sílvia, Milena?O que fazem aqui?-Diz Scherkried.
-Foi idéia da Misa!Eu não tenho nada a ver!
-Tudo bem, mas vocês tem que se cuidar!
-O que há de perigoso nesta maravilha?-Perguntou Milena.

O lugar onde eles estavam era uma sala sem portas nem janelas, a única janela que havia era do tamanho da cabeça de Sira, mas o lugar era fresco e arejado.

Em suas paredes, uma pintura azul,cheia de nuvens brancas e estrelas amarelas.
O teto, totalmente preto, e o chão todo de vidro, mas impossível enxergar o que existia embaixo dele.
-Este é o seu hotel!-Disse Presente.
-Mas e as camas!?-Disse Rabanete.
-Elas estão guardadas, só precisamos usá-las à noite.-Disse Querosene.

Todos foram dormir, já era tarde.
No outro dia, quando Sira acordou, viu que só sua cama, a cama de Milena e as malas estavam ali, e é lógico, Milena também.
-Milena,Milena!
-Ã?Uáááá...que aconteceu?
-Veja!Estamos sozinhas!
-Ã?Onde eles foram?Estamos presas?
-Pelo jeito!Não há portas!
-Como!Devia existir!Como eles saíram?
-Hmmmm!Talvez por...aqui!
-Genial Sílvia!É um botão, deve haver uma passagem secreta.

Sílvia apertou o botão e, logo acima delas...
Broooowwwwww!
O teto abriu-se!E então...
Trááááááá!Uma escada surgiu do chão de vidro.
-Milena!Podemos sair!É um tubo, vamos.

E quando Sílvia já estava no meio do caminho percebeu que Milena não estava junto.
-Milena?Onde tu estás?Milena!!!

Sílvia voltou no quarto e, lá estava Milena, se trocando.
-O que tu estás fazendo?
-Me arrumando,oras!Tu te mandastes na frente!
-Vamos logo, não temos tempo!

E então elas foram...

Milena Sardela

Era uma vez uma menina ruiva de cabelo liso, cheia de sardas no rosto, com olhos bem verdes e o nariz roliço.
Seu nome era Milena, mas como ela tinha muitas sardas na bochecha chamavam-na de Milena Sardela.
Milena tinha nove anos, embora tão magra e comprida, parecia ter seus doze.

Milena adorava brincar que viajava para outro mundo (já tinha viajado para o mundo das paisagens, dos doces, dos brinquedos...).
Ela não tinha muitos amigos porque morava em um campo, mas ela adorava brincar com Sílvia Rabanete.


Sílvia Rabanete tinha esse nome porque sempre que ia presentear alguém, dava um rabanete.


Milena Sardela e Sílvia Rabanete resolveram, finalmente, ir viajar para Marfênis.
-Milena Sardela!Estamos em Marfênis!Venha ver o imperador!
-Olá Senhor Imperador, eu sou Milena Sardela, prazer em conhecê-lo.
-O prazer é todo meu Senhorita Sardela!Eu sou o Imperador Cristhian XXIV, vocês são muito amáveis.
-Obrigada Sr.Imperador!-Diz Sílvia.
-Vocês poderiam chamar Scherkried para mim?Ela está no pomar colhendo maçãs.
-Minha intenção era...
-Quieta Sílvia...Claro Sr.Imperador!
-Se não se importa Srta. Sardela, poderia chamar-me só de Cristhi?
-Oh!Claro Sr.Imp...digo, Cristhi.
Milena e Sílvia foram chamar Scherkried e quando voltaram com ela, Cristhi estava murmurando, andando de um lado para outro.
-Oh, Deus!
-Sr...Cristhi, que aconteceu?-Perguntou Sílvia.
-Minha cara Sílvia! Minha única jóia, Beatriz!
-Mestre Trens! De novo...a Triz...?
Scherkried dá um espetáculo,vai de um lado a outro gritando:
-Susie, Jane, Thomas, Vermão, Cascalho, Chalote, Cascata, ajudem! Triz foi roubada! Tainha, Peixoto, Presente, Gotinha, Oval, Narizão, Querosene, Piteco, ajudem! Triz foi roubada! Susie, Jane, Thomas, Vermão...
-Já chega Scherkried, chega. Ela deve ter sido raptada por aquele lá, como é que é?
-Cucamonga Sr.
-Ah, é! O Sr.Arquibaldo Peteleco de Estribilho Cucamonga.
-Bom Sr.,se for ele que a raptou então vai ser fácil trazê-la de volta para cá.
Scherkried sabia todos os segredos de Cucamonga, já havia trabalhado como camareira para ele.
-O que faremos?-Perguntou Sira (Sílvia Rabanete).
-Vamos até o império de Cucamonga!-Disse Cristhi.
-Mas...até lá? Posso ir?
-Deixar você ir não vai ser bom.-Disse o Imperador a Misa (Milena Sardela).
-Mas porque?-Perguntou Sira.
-Vocês não sabem, é perigoso-Disse Scherkried.
-Quieta, aqui quem fala sou eu! Vá colher maçãs!
-Mas...Trens...já colhi duzentas maçãs...
-Não interessa! Vá!-Gritou o Imperador.
-Ah, Cristhi! Tu estás sendo meio grosso!
-Ah! Mil perdões Srta. Sardela!
-Tudo bem, mas...
-Mas o que Misa?-Perguntou Cristhi.
-Porque é impróprio eu ir com Scherkried?
-Não quero que tu se machuques...Beatriz deve estar aprisionada...
-Ahn! Então eu e a Sira vamos ficar aqui colhendo laranjas.
E então Scherkried, o imperador e seu batalhão partiram, só que Milena e Sílvia foram junto, escondidas.

Lhamas!!

Só para constar...
Eu adoro lhamas!!!!







Eu queria encontrar aquelas lhamas das propagandas de chiclete, mas não encontrei...
Alguém viu????



Viva a Vida!

Depois de ficar pondo um monte de lixo (e depois mandar todos eles para a reciclagem... huó huó huó!), resolvi colocar umas bobagens mais construtivas aqui no blog...
Então, vou treinar para minha aula de coral:
Caham!

"Viva, viva la musica
Viva, viva la musica,
Viva la musica"

"Viva viva la botiglia
viva viva la alegria
no pi'ú bella compagnia
n'el gran mondo non se dá

La botiglia...
La alegria...
No pi'ú bella compagnia
Nel gran modno non se dá

Viva!
Viva!
No, no, no ,no,
N'el gran mondo non se dá!"

domingo, 8 de maio de 2011

Histórias Extraordinárias Edgar Allan Poe

Eu particularmente não gostei do livro.
As histórias são boas, o jeito de escrever de Poe é bom (principalmente quando ele usa "postigos" ao invés de "janelas" e "alcova" ao invés de "quarto" e/ou "sala"), mas seu método não é.
Ele deixa muito óbvio o que acontecerá no final dos contos!
Vamos tomar como base o que o tradutor escreveu sobre Poe e sua obra:

"Mestre inconteste do terror e do suspense, Edgar Allan Poe foi precursor da literatura de mistério e poeta admirado por Baudelaire.Nesse livro, estão alguns de seus contos mais conhecidos , obras que marcaram profundamente a literatura ocidental.É o caso de 'O gato preto', a tenebrosa história de um assassinato malogrado, ou de 'O poço e o pêndulo', que apresenta uma visão macabra a ansiedade da morte.Pioneiro dos contos de mistério, como 'A carta roubada' e 'O escaravelho de ouro', Poe deu a seus personagens notável profundidade psicológica.Usando de diversos artifícios narrativos inovadores, criava climas e situações aterrorizantes."

Primeiro vou pedir desculpa a esses míseros editores, mas vou ter que "criticar sua crítica"...
(Viu só como não posso ser escritora?É isso que acontece entre os editores...)
Não acho que Poe seja "um mestre" e muito menos "inconteste" do terror e do suspense.
De terror não encontrei nada, pelo menos neste livro que li, e de suspense muito menos, pois como já disse se torna evidente no começo do conto o que acontecerá no final do mesmo.
Depois, quem é Baudelaire? Me expliquem por favor, porque ele é um trouxa de admirar esse cara (calma, essa é só a minha opinião)!
Se esses "contos mais conhecidos" marcaram a história da literatura ocidental, então pelamordedeus, a literatura ocidental está perdida!
"O gato preto" por acaso era para me causar terror? Sinto muito, não conseguiu. Talvez por que tenham copiado tanto esta história (ou será que Edgar copiou de alguém?) que já se sabe o seu final de cor e salteado...Ou talvez porque seja uma história muito boa, mas seu autor não tenha sabido como escrevê-la.
O único conto que salvou um pouco o livro foi "O escaravelho de ouro", que acrescentou um pouco de conhecimento a mim sobre assuntos de que gosto, e , além disso neste conto o desfecho não se mostrou evidente.Porém a história deste conto é terrível e poderia ser melhor elaborada...
Quanto à"profundidade psicológica"se mostra bem aparente em seus contos.
Se Poe não utilizasse tantos "artifícios narrativos inovadores", se utilizasse mais métodos de sua própria autoria, talvez conseguisse criar "climas e situações aterrorizantes".

Sinto muito aos fãs deste autor, mas para mim ele é um verdadeiro vexame, que não recomendo que percam seu tempo precioso com ele.

Por Captain Purple

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Contos dos Corteze - O Avião de Medicamentos

O avião com os quatro amigos caiu no deserto. Todos sobreviveram. Mas estavam longe de tudo. Graças a Deus o avião não explodiu e os danos foram parciais. Também não perderam os mantimentos e medicamentos que levavam para uma aldeia necessitada no norte da África. Trataram logo de armar uma barraca com os panos que envolviam as caixas e outras coisas.Numa situação como esta a união e a amizade são armas valorosas contra o desespero.
Após armarem a barraca e sentarem à sua sombra para eleger quais seriam as prioridades das atitudes a serem tomadas.Estavam todos consternados mas procuravam manter a calma, pois no curso de aviação haviam sido preparados para situações assim.
Anselmo deixou os outros três que se envolveram nas tarefas aprendidas e decidiu subir a duna para observar os arredores.A areia era estranha, havia nela pedregulhos coloridos.Como se fossem aquelas pedrinhas que se compra no Um e Noventa e Nove para pôr no vasinho de flor.Mais misteriosos ainda era a espécie de "brilho" que ia surgindo enquanto se aproximava do topo.De fato, no alto constatou: era o reflexo da luz no metal.Boquiaberto avistou: uma nave alienígena ali, não tão próxima mas perto o suficiente para que eles a alcançassem.No entanto, não havia nela sinal de vida ou de qualquer movimentode suas máquinas.
Anselmo , muito curioso resolveu explorar a nave mais de perto, mas nesse momento um compartimento embaixo da nave se abriu e de lá de dentro saíram  o Capitão Zoom e mais três criancinhas comendo cachorro-quente.
Zoom perguntou a o jovem o que ele estava fazendo ali e este contou sua história.
Então a mais velha das crianças perguntou a Anselmo se ele e seus amigos não queriam uma carona no disco-voador, mas Anselmo muito desconfiado não aceitou de primeira e resolveu conversar com seus amigos.
Equanto isso Zoom e as três crianças ficaram brincando na nave, abduzindo uns aos outros.Um deles perguntou onde está o Salelmo (eles não conseguiam dizer Anselmo).
-Não sei, ele estava aqui até "agola". "Ficalam pleocupados".Saílam a plocular o Salelmo, quando encontlalam os outlos tlês-Vilgem!-Glitalam-São quatlo Salelmos!Vamos embola!-E saílam comendo cacholos-quentes.
Anselmo saiu debaixo da areia onde havia se escondido e perguntou aos amigos onde estiveram.Eles responderam-Fomos entregar as coisas!
- Ah, tah!
Anselmo havia tirado uma peça do disco-voador, com a qual consertou o avião.
E folam embola pala casa.






Bom caros leitores, como eu já disse esses contos fazem parte de uma brincadeira que fazemos em família, e é por isso que às vezes as histórias parecem sem nexo e a linguagem que são escritas muda tanto...
Mas o importante é pegar a essência dessas histórias....
Espero que tenham gostado, depois eu posto mais aqui.Beijos a todos vocês!
Comentem aí, please!

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Viola


Pensando bem...
Minha vida é linda por que tenho você aqui comigo...