sexta-feira, 6 de maio de 2011

Contos dos Corteze - O Avião de Medicamentos

O avião com os quatro amigos caiu no deserto. Todos sobreviveram. Mas estavam longe de tudo. Graças a Deus o avião não explodiu e os danos foram parciais. Também não perderam os mantimentos e medicamentos que levavam para uma aldeia necessitada no norte da África. Trataram logo de armar uma barraca com os panos que envolviam as caixas e outras coisas.Numa situação como esta a união e a amizade são armas valorosas contra o desespero.
Após armarem a barraca e sentarem à sua sombra para eleger quais seriam as prioridades das atitudes a serem tomadas.Estavam todos consternados mas procuravam manter a calma, pois no curso de aviação haviam sido preparados para situações assim.
Anselmo deixou os outros três que se envolveram nas tarefas aprendidas e decidiu subir a duna para observar os arredores.A areia era estranha, havia nela pedregulhos coloridos.Como se fossem aquelas pedrinhas que se compra no Um e Noventa e Nove para pôr no vasinho de flor.Mais misteriosos ainda era a espécie de "brilho" que ia surgindo enquanto se aproximava do topo.De fato, no alto constatou: era o reflexo da luz no metal.Boquiaberto avistou: uma nave alienígena ali, não tão próxima mas perto o suficiente para que eles a alcançassem.No entanto, não havia nela sinal de vida ou de qualquer movimentode suas máquinas.
Anselmo , muito curioso resolveu explorar a nave mais de perto, mas nesse momento um compartimento embaixo da nave se abriu e de lá de dentro saíram  o Capitão Zoom e mais três criancinhas comendo cachorro-quente.
Zoom perguntou a o jovem o que ele estava fazendo ali e este contou sua história.
Então a mais velha das crianças perguntou a Anselmo se ele e seus amigos não queriam uma carona no disco-voador, mas Anselmo muito desconfiado não aceitou de primeira e resolveu conversar com seus amigos.
Equanto isso Zoom e as três crianças ficaram brincando na nave, abduzindo uns aos outros.Um deles perguntou onde está o Salelmo (eles não conseguiam dizer Anselmo).
-Não sei, ele estava aqui até "agola". "Ficalam pleocupados".Saílam a plocular o Salelmo, quando encontlalam os outlos tlês-Vilgem!-Glitalam-São quatlo Salelmos!Vamos embola!-E saílam comendo cacholos-quentes.
Anselmo saiu debaixo da areia onde havia se escondido e perguntou aos amigos onde estiveram.Eles responderam-Fomos entregar as coisas!
- Ah, tah!
Anselmo havia tirado uma peça do disco-voador, com a qual consertou o avião.
E folam embola pala casa.






Bom caros leitores, como eu já disse esses contos fazem parte de uma brincadeira que fazemos em família, e é por isso que às vezes as histórias parecem sem nexo e a linguagem que são escritas muda tanto...
Mas o importante é pegar a essência dessas histórias....
Espero que tenham gostado, depois eu posto mais aqui.Beijos a todos vocês!
Comentem aí, please!

Um comentário:

  1. Ah... eu não quelo comental nada hoje... talvez em outla opoltunidade...

    ResponderExcluir