quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Contos dos Corteze-Margarida's




          "Margarida's" era o nome da padaria.Estava resolvido. Martim até manteve seu sorriso boboca enquanto o oficial de registro digitava o documento com o nome da sociedade entre ele e o português.
E sonhava: venderemos pães, brioches, biscoitos de nata e o tradicional bolo com a receita secreta da vovó Margarida.Ganhariam muito dinheiro e então ele compraria sua Ferrari.
     Mas no dia  seguinte houve uma tragédia.O português adoeceu e durante todo o dia ele degradou-se e ao cair da noite, expirou.
Todos se perguntavam qual seria o motivo daquela doença repentina até que o oficial lembrou-se que o português estivera viajando por alguns estados do país e que contara que comera uma salada que era variante de não-sei-o-quê e que não lhe caíra muito bem.
     Apesar disso Martim não acreditou que uma salada pudesse causar uma doença mortal.Talvez uma intoxicação alimentar, mas aquilo ali era ridículo.
     Como seu amigo português morreu, Martim resolveu fazer sapatos...
            Mas não deixou de pensar no português, enquanto colava e pregava.Estranho, pensou, por que não puderam ver o corpo do sócio no caixão? Só porque ficara todo deformado em decorrência da doença? Ficou desconfiado.
           Nunca vira o português comendo salada antes.E que história era aquela de registrar a receita da vovó no cartório?
          Nisso,bateram na porta. Era o oficial de registro pedindo suas botas que estavam com a sola solta.

          Enquanto Martim pregava a sola, foi contando para o oficial as suas suspeitas.O oficial deu uma enorme duma mijada no pobre coitado,dizendo que,enfim, ele tinha que se resolver, se queria ser sapateiro, padeiro ou detetive!
          Muito triste com toda a cituação(sic),Martim entregou as botas para o homem e foi preparar-se para dormir.Na janta comeu uma deliciosa salada de margaridas.Não era qualquer margarida não.Era da mesma espécie que a vovó usava para sua receita secreta.Ele sempre sorria seu sorriso boboca aolembrar disso: vovó chamava o anis estrelado de "margarida" porque era com suas flores e sementes que enfeitava a cobertura do bolo.E também davam um sabor especial à salada.
           Antes de deitar-se e colocar o horário no despertador, sentou-se na cama e fez uma prece para a alma do Joaquim.E tomou a decisão mais errada de sua vida: retornariaaos estudos e seguiria a carreira de detetive.
          Nós todos já sabemos o fim da história.Ele nunca conseguiu resolver nenhum caso...
          Quem salvou a família foi sua mulher, a Georgete, uma costureira de mão cheia...
FIM 

Bom pessoal, vocês já sabem como funciona a brincadeira né? Uma pessoa começa a história e tem um minuto para escrever. No fim desse minuto a pessoa pára de escrever e passa a história adiante, para a outra pessoa à sua direita continuar a escrever, e assim sucessivamente...
Para vocês entenderem melhor, eu não mudo nada do que está escrito, porque cada um escreve à sua maneira e é importante não modificar nenhuma característica dos "escritores"...Para simplificar ainda mais, eu escrevi comfontes diferentes para cada pessoa para vocês leitores entenderem quando o texto "passou adiante".


 Legendinha das fontes:
Essa fonte aqui, "Arial", foi a mãe Luiza que escreveu
"Courier"- eu, Raquel
"Georgia"-Pai Heitor
"Trebuchet"- Frederico

Comentem,critiquem,elogiem...sintam-se livres!!

Abracinhos, Captain Purple XD

Nenhum comentário:

Postar um comentário