quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Coisa guardada...

Muito boa matéria, seria desperdício ,burrice e perda de tempo não compartilhar aqui e deixar aqui guardado pegando pó pra um dia eu vir aqui, ler de novo e levantar de novo toda poeira...



http://padrepauloricardo.org/blog/a-renuncia-do-papa-e-os-oportunistas-da-imprensa-secular#.USNyJ_W48V8.facebook


terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A Parte Nojenta de Mim...

Caros leitores,muita atenção!!!
As poesias que se seguem são proibidas para crianças,velinhos pitorescos e outras pessoas inocentes,puras e belas,e até para mim...São poesias pesadas que pessoas decentes não devem ler...
Boa leitura!


"Diante de Ti"

Diante de ti estou nua.
Nua de roupas, de vergonha, de mentiras...
Conhece-me cada curva,
cada cicatriz,cada pensamento,cada sentimento...
Estou nua e crua e verdadeira.
Meus segredos se expõem
como meu corpo,minha pele.
Seios e segredos, tudo em meu peito,
expostos diante de ti.
Diante de ti estou nua.
Transpareço e desapareço
diante de um corpo que
já não se esconde...
Tu sabes-me cada lágrima,
cada sorriso,cada coxa,cada anca,
cada olhar...
Diante de ti estou nua.
De qualquer preconceito ou
qualquer pensamento;qualquer sentimento.
Diante de ti estou pura.
Diante de ti estou despida de mim.



"Ânsia de Vômito"

Desculpe terem saído
vomitadas
as minhas palavras,
mas é que a poesia,
a inspiração,
é assim mesmo,
como uma ânsia.
Se não se diz na hora,
se perde ela toda...




"Falso-Positivo"

Meu útero reclamou,
chorou,
chegou a sangrar...
Chorando, escorreu -se logo,
me dizendo e doendo a dor
que antes sentira
a minha consciência...
Meu útero abortou
a idéia
de existir um ser
no outro ser,
e sermos os três
seres que dão certo...
Não foi...
E senti este não ser...
Senti o reclame, o choro, a dor...
Durante três dias
menstruei o aborto
que meu útero roubou
de mim,e de minha consciência...





Bem, bom...avisado tu foi...se leu até aqui, seu indecente, não tenho culpa...Espero que tenha gostado da parte suja da minha alma ao menos...
Até mesmo as flores têm espinhos né...
Pois bem, já que tu não é uma pessoa polida mesmo,pra ter lido até aqui, deixe ao menos um comentário...pode ser cabeludo,pode ser mais sisudo,pode ser crítica,pode ser elogio...mas que ao menos SEJA, já que se deu ao trabalho de ler essas porcarias, pare de gracinha e escreva qualquer porcaria aí também,seu porcalhão...

(é,eu percebi que usei muito "ao menos" no meu comentário...)

Abracinhos, e desculpas dos xingamentos,mas faz parte do ser humano a necessidade de xingar os outros...

Divirtam -se no blog,
                              Raquel Corrêa Corteze



Contos (baseados em sonhos)

Eu ainda era um grumete quando este fato aconteceu.Faz muito tempo e talvez eu me esqueça de alguns detalhes...
Me meti não sei de que jeito no navio do capitão Boyd (como não me lembrei que um pirata celta pode ser terrível?).
Desci ao porão da bacia velha com Gerd, o marujo escandinavo,para apagar o farolete, já que despontava o amanhecer.
Assim que acabei o serviço fui apresentado a Billi, o maquinário da âncora e do leme, um tanto assustador.Este parecia ser tão velho e caindo aos pedaços que tive de deixar escapar um arrepio enquanto a tripulação debochava de mim:
-Com medo novato? Prefere lamber o chão com o esfregão? Hahahahahahaha!
Subi ao castelo de proa onde estacionava-se o famoso Billi, e Beleno contou-nos que se algo de cima do Billi caísse ao mar enquanto um homem se encontrasse em cima deste, era morte na certa, pois o maquinário poderia desmoronar.
A princípio não temi aquela história um tanto grotesca, mas os próximos acontecimentos me fizeram entender que nunca se pode duvidar de um marujo experiente.
Beleno atirou de cima do Billi uma lona azul, que caiu em meio às ondas partindo o castelo de proa em pedaços!
A tripulação gritava:
-Não morra! hahahahahahahah!
E por sorte não morri mesmo.
Com ordem do capitão, Gerd puxou um cabo do cordame e todo o mastaréu e o castelo de proa desapareceram deixando no local uma tenda preta e vermelha decorada com estátuas de bucaneiros brancas com um pó dourado que tenho certeza que ouro não era.
Os piratas olharam-me e disseram:
-Sirva-se.
Entrei no barracão escuro, e este cheirava doce. Tomei um grande susto quando um cão enorme começou a latir acuando-me para fora da velha tenda.
Olhei apavorado para os meus companheiros e avistando três mulheres e disse, ainda trêmulo de nervoso:
-Mulher na nave? Traz azar!
E o capitão disse:
-São vadias!
Então uma das moças, muito bonita por sinal, aquela chamada de filha do capitão que levava o nome de Aryana, pôs a mão sobre meu ombro e me disse:
-Não tenha medo...
Depois disso entrei no barracão e não me lembro o que aconteceu. Lembro- me apenas que despertei na velha hospedaria de Port Royal...

Digo que esta história ocorreu há muito tempo,pode ser que ninguém se convença dela, mas como eu já disse por experiência própria: nunca duvidem de um marujo experiente...






Gostaram povo?
Se der certo pretendo escrever contos sobre todos os meus sonhos(os que eu me lembrar, mas não se preocupem, uma boa escrevedora sempre possui um diário de sonhos...).

Divirtam-se bastante aí,
Rack Star

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

O Não Famoso...

Sigam no youtube, críticas às "músicas" (que desonra à música chamar essas coisas assim...)populares brasileiras com muito humor...

http://www.youtube.com/watch?v=vWY3e5_fSoc