terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Contos (baseados em sonhos)

Eu ainda era um grumete quando este fato aconteceu.Faz muito tempo e talvez eu me esqueça de alguns detalhes...
Me meti não sei de que jeito no navio do capitão Boyd (como não me lembrei que um pirata celta pode ser terrível?).
Desci ao porão da bacia velha com Gerd, o marujo escandinavo,para apagar o farolete, já que despontava o amanhecer.
Assim que acabei o serviço fui apresentado a Billi, o maquinário da âncora e do leme, um tanto assustador.Este parecia ser tão velho e caindo aos pedaços que tive de deixar escapar um arrepio enquanto a tripulação debochava de mim:
-Com medo novato? Prefere lamber o chão com o esfregão? Hahahahahahaha!
Subi ao castelo de proa onde estacionava-se o famoso Billi, e Beleno contou-nos que se algo de cima do Billi caísse ao mar enquanto um homem se encontrasse em cima deste, era morte na certa, pois o maquinário poderia desmoronar.
A princípio não temi aquela história um tanto grotesca, mas os próximos acontecimentos me fizeram entender que nunca se pode duvidar de um marujo experiente.
Beleno atirou de cima do Billi uma lona azul, que caiu em meio às ondas partindo o castelo de proa em pedaços!
A tripulação gritava:
-Não morra! hahahahahahahah!
E por sorte não morri mesmo.
Com ordem do capitão, Gerd puxou um cabo do cordame e todo o mastaréu e o castelo de proa desapareceram deixando no local uma tenda preta e vermelha decorada com estátuas de bucaneiros brancas com um pó dourado que tenho certeza que ouro não era.
Os piratas olharam-me e disseram:
-Sirva-se.
Entrei no barracão escuro, e este cheirava doce. Tomei um grande susto quando um cão enorme começou a latir acuando-me para fora da velha tenda.
Olhei apavorado para os meus companheiros e avistando três mulheres e disse, ainda trêmulo de nervoso:
-Mulher na nave? Traz azar!
E o capitão disse:
-São vadias!
Então uma das moças, muito bonita por sinal, aquela chamada de filha do capitão que levava o nome de Aryana, pôs a mão sobre meu ombro e me disse:
-Não tenha medo...
Depois disso entrei no barracão e não me lembro o que aconteceu. Lembro- me apenas que despertei na velha hospedaria de Port Royal...

Digo que esta história ocorreu há muito tempo,pode ser que ninguém se convença dela, mas como eu já disse por experiência própria: nunca duvidem de um marujo experiente...






Gostaram povo?
Se der certo pretendo escrever contos sobre todos os meus sonhos(os que eu me lembrar, mas não se preocupem, uma boa escrevedora sempre possui um diário de sonhos...).

Divirtam-se bastante aí,
Rack Star

2 comentários: