terça-feira, 30 de setembro de 2014

Orquídea ou Lírio?








Porque achei a orquídea mais parecida com Flor de Lis do que o lírio?




http://www.significados.com.br/acucena/

http://www.significados.com.br/flor-de-lis/

http://www.significados.com.br/flores-roxas/

http://www.significados.com.br/orquidea/


http://www.significados.com.br/cor-roxa/


http://www.significadodascores.com.br/significado-do-lilas.php

http://www.significadodascores.com.br/significado-do-violeta.php

http://www.significadodascores.com.br/significado-do-roxo.php

http://www.significadodascores.com.br/significado-do-purpura.php


Flor de Lis De Novo

Segundo a Enciclopédia Larousse :

Flor-de-Lis: 1-Planta bulbosa, ornamental de grandes flores vermelhas-escuras.Originária do México, foi introduzida na Europa. 2-Emblema heráldico representado pela figura de lírio extremamente estilizada, utilizado pela Casa de França desde o século XII e símbolo da realeza na França.


Lis: 1- sinônimo de lírio. 2-rio de Portugal que banha a cidade de Leiria e deságua no Atlântico, perto de Vieira, a 50 km.

Lírio: (do grego leirion pelo latim lilium.) 1-nome comum a diversas plantas ornamentais, da família das liliáceas; possuem bulbos grandes e flores brancas, vermelhas ou amarelas, geralmente salpicadas de pontos de cores que variam com a espécie, perfumadas. 2- A flor dessa planta, açucena, lis. 3-Figurativo: Símbolo da pureza.

Leiria (Portugal): Indústria de tecidos, louças artísticas, vidros, rendas e água mineral.
Cortes de Leiria: nome dado às primeiras cortes portuguesas, convocadas em 1254 por Afonso III. Os representantes dos municípios compareceram a essa corte para deliberar sobre os negócios do reino, conferindo, assim, certos direitos à burguesia. Em 1438 deliberou-se resistir aos mouros, que exigiam Ceuta em troca da vida do infante D. Fernando, que acabou morrendo no cativeiro.


Açucena: (do árabe aç-çuçana): Denominação comum das espécies do gênero  Hip peastrum.( Família das amarilidáceas).




Ainda vou descobrir o que significa a Flor de Lis na formação de Letras...Pureza porque?






Redação - Estudo para Vestibular

Saúde Quase Pública

     Os Estados Unidos finalmente estão adotando uma reforma no plano de saúde pública. Diferente do governo brasileiro, os EUA não possuem um sistema público de saúde como o SUS (Sistema Único de Saúde) e nem um órgão de vigilância sanitária como a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e  assim, ou paga-se um seguro, ou pagam-se as consultas, acabando que nada fica barato.

      Segundo a reportagem de 06 de julho de 2012, da página Guia do Estudante, a Suprema Corte norte-americana aprovou uma reforma na saúde, proposta pelo presidente do país e conhecida como Obamacare, onde todo cidadão estadunidense está obrigado a ter um seguro de saúde, sujeito a  pagar uma taxa caso não o possua. Para as famílias de baixa renda, o governo ajudará parcialmente nos custos, com o intuito de aumentar a cobertura na saúde pública.

        Esta reforma não resolve totalmente o problema, e com certeza não é toda população que está de acordo com a proposta, além de que é necessário um período de adaptação por parte da população, mas o importante é que medidas foram tomadas, e se os Estados Unidos ainda não chegou lá, está no caminho certo.






segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Algumas Coincidências Espetaculares





Para mim, a Flor de Lis sempre foi o símbolo da pirataria francesa, o símbolo dos ladrões e prostitutas, desde aquela época em que fiz algumas pesquisas sobre a pirataria e todas essas coisas.

Um pouco mais tarde, descobri que ela era símbolo também do escotismo, representando o norte, e os deveres que o escoteiro deve sempre se lembrar e seguir.
Quando descobri sobre o escotismo, quase fiquei louca já, porque eu tenho uma quedinha toda especial para com o escotismo (sempre quis ser uma bandeirante e nunca pude...).

E há pouco tempo eu e meu excelentíssimo amor-da-minha-vida-meu-namorado-quase-noivo-já-futuro-marido Leonel Augusto descobrimos que a flor de lis também é o símbolo do curso de Letras!!!Dá para acreditar?
E tem mais: a flor de lis é lilás, que todo mundo sabe que é uma variação de roxo, assim como violeta (que eu nem gosto, por isso que até minha respiração é roxa), e por isso a cor oficial do curso de Letras também é lilás!
E mais ainda: sempre fui fã daquela pedra ametista, porque além de roxa (\o/) é uma pedra muito comum e abundante no sul do Brasil, de onde eu brotei, e adivinhem: é a pedra oficial do curso deee...tchan tchans.... LETRAS!!!

E para alguns desinformados (mas que eu perdôo), a coruja pode até ser o símbolo do curso de Letras, porque ela significa a sabedoria, a razão e blá blá blá, mas não é o símbolo original, porque ela é símbolo da pedagogia e filosofia também.U.U

Não fiquem bravos comigo porque estou falando isso da corujinha, só que pra mim não dá, porque a Caro (minha-irmã-mana-querida-linda-do-meu-coração) tem uma coruja de gesso e ela não fez Letras, ela fez Filosofia!
Aí vocês entendem onde quero chegar...

E não seja por isso, não fiquei tão contente assim com minhas pesquisas sobre a Flor De Lis, porque ninguém sabe contar a real história dela, nem o significado, nem de onde surgiu, nem porque ela representa o curso de Letras...(uuuf).
Ainda vou continuar essa pesquisa, porque pra mim não basta ela representar só  o ladrão perdoado francês, o norte de uma bússola, a fé, sabedoria e valor, poder e a soberania, pureza de corpo e alma, íris, flor de Luis, flor de lírio, ponta de lança e mais um monte de coisa...Eu quero certezas! Quero realmente saber de onde ela veio, porque e o que significa; porque representa Letras, porque Luis da França a colocou no seu brasão?(será que se eu estudar heráldica eu descubro?).

Se alguém souber mais alguma coisa sobre ela, ou sobre corujas, ou sobre Letras, ou sobre roxo, ou sobre ametista, ou sobre qualquer outra coisa relacionada à essa pequena "redação", e quiser (por obséquio) compartilhar comigo, pra tornar este blog cada vez mais interessante e curioso, fique à vontade para compartilhar aqui comigo, se quiser criticar, jogar pedra nesse texto (ou em qualquer outro do blog), ou se quiser elogiar e pedir bis, a casa é sua... fique à vontade...

E se alguém ficou curioso e com sede de saber mais, compartilhar e pesquisar sobre isso também, tá aqui alguns dos materiais que usei de pesquisa...
Eu tenho mais, mas não vou ficar me dando o trabalho de digitalizar e colocar num blog que ninguém lê, então pus só o que achei na internet U.U.
Quem tiver totalmente fascinado que nem eu, que vá a uma biblioteca, museu, enciclopédia, sei lá...
Se um dia eu escrever um livro sobre isso, daí sim eu publico no Minestra...

Bom,acho que vocês entenderam o recado, e se não entenderam, expressem-se, que eu não tenho bola de cristal nem cartas de tarô....

Uns abraços e boa pesquisa =)







http://lusophia.wordpress.com/2012/03/06/flor-de-lis-versus-realeza-de-deus-por-vitor-manuel-adriao/

http://www.deldebbio.com.br/2011/07/29/a-flor-de-lis/


http://letrasages.webnode.com.br/simbolos-de-letras/

http://letrasfafibe.blogspot.com.br/2011/03/simbolos-do-curso-de-letras-normalmente.html


http://verbumlittera.blogspot.com.br/2012/03/brasao-do-curso-de-letras-da-uftm-o.html

http://lurfgalan.blogspot.com.br/2011/10/simbolos-do-curso-de-letras.html


http://blogdasflores.com/historia-da-flor-de-lis/

http://rainydays.com.br/simbolo-de-profissoes-da-area-de-humanas/

http://letrassfucamp.blogspot.com.br/2013/03/blog-post_4.html

http://www.gazetadopovo.com.br/vida-universidade/conteudo.phtml?id=1360440






terça-feira, 16 de setembro de 2014

Desintoxicação



O Minestra de Letrinha teve uma intoxicação antonio-ventural, foi forte, mas graças a Deus melhorou...
Pode ser que ele tenha ficado com algumas sequelas e que de vez em quando ainda apareça aqui uma poesia do Antonio Ventura.Caso acontecer, perdoem e dêem um tempo para o blog se recuperar totalmente...
De todo, não é uma intoxicação maligna, graças a Deus...
Mas enquanto isso, vão curtindo essa que saiu fresquinha agora de manhã: 


O Crime - Raquel Corteze

Meu maior crime
foi um dia
querer amar alguém
de maneira intensa
e verdadeira.

Isto foi-me matando.
Não encontrava ninguém
para futuro marido, 
que me aguentasse e 
se aguentasse.

Aí de repente
conheci um rapaz por acaso.
Eu ressuscitei.
Nós nos namoramos,
e encontrei
meu futuro marido.

Fui perdoada
do meu maior crime.


O Labirinto e o Minotauro - Antonio Ventura


Não choreis o tempo.Fostes um guerreiro perdido em tantas lutas.Em lutas desiguais e nunca vislumbradas.Porque caminhar para as lutas se nem sabemos às vezes os caminhos labirintos como o de Midas?Terrível é o encontro com o Minotauro, mas diz a lenda que foi morto por um guerreiro corajoso.Façamos assim.Vamos matar o Minotauro.Mataremos, sim.Depois saberemos os caminhos certos do labirinto. 

Jaca e Mel - Antonio Ventura



E daí?Todo dia é um dia a mais mesmo, ou a menos.Tudo o que vai vem, assim como o poema é a poesia dos dias.As noites também se desfiam, como noites, cheias de estrelas.Principalmente nestas noites de verão, quentes.Quando o dia amanhecer o sol brilhará novamente na piscina e tudo seguirá seu ritmo.A babá Fátima chega logo pela manhã, já pega o Toninho para cuidar.Chega também a Joana, faz o café, apronta a mesa.Depois vai mexer com as roupas, lavar quintal, cuidar da casa, fazer comida.Na parreira de uvas brotaram alguns cachos.Também nenhuma novidade.Você não iria querer que nascessem abóboras.É certo que as jacas, tão enormes e cheirosas nascem em árvores.Mas é difícil uma jaca se esborrachar no chão.Favos de mel tem a jaca, quando bem madura.E os favos da jaca, quando bem madura, parecem céu, melhor que mel.

Um Pequeno Cão Late na Rua - Antonio Ventura



Começo da primavera.Um pequeno cão late na noite, incessantemente.Não sabe que late, o cão miserável.Ou sabe?E nós sabemos que falamos e que realmente colocamos em nossa boca palavras que não sabemos de onde?E quem é mais miserável, este pequeno cão que late ou nós, que marcamos no calendário as estações?E o pequeno cão late, late, sem descanso, na imensa noite sempre inconsolável, de infinitas e visíveis estrelas.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Homenagem a Clarice Lispector - Antonio Ventura

"Estou procurando, estou procurando.Estou tentando entender.Tentando dar a alguém o que vivi, e não sei a quem, mas não quero ficar com o que vivi.Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo desta desorganização profunda." Clarice Lispector (A Paixão segundo G.H.)

      A vida, antes de qualquer dever, é uma paixão medonha, não somente de G.H.Também porque creio, amor, que esta vida para viver é anterior a nós e nossas vãs filosofias, nosso comércio, nosso pão suado de cada dia. 
        Não amor, nós não somos a vida, somos apenas seus filhos bastardos, aparentemente felizes.
       Um dia dei um grito profundo, me tiraram de uma placenta ensanguentada, (e a vida, ah, já existia a tanto tempo!) então me fiz humano e pequeno, amor, por isso peço a tua mão; porque tenho carência dela para andar por cima das pedras, atravessar o asfalto, para não ficar sozinho na solidão das grandes cidades.
      A provação não sou eu que a faço, veja bem, amor.Apenas provo a água que me estendes com tuas mãos generosas; então eu sou água e sou líquido, e sou sólido, e vivo.
      O caminho da vida, amor, progride, mas até hoje não sabemos exatamente se através de nossos pés humanos, nossas mãos cheias de erro, nossa memória esquecida do que há de mais belo nos livros ou naquele único livro.
      Igual a ti, amor, não quero que a vida tenha direitos nem deveres, sempre tão sujeitos a dúvidas. Quero apenas, agora, tuas mãos ausentes cheias de paixão, mas vivas, a tocar o caminho da eternidade que, através dos símbolos, me ensinaram o caminho da alegria difícil, contudo alegria.
      Dá-me tua mão.

Natal, O Triste Destino das Gaivotas - Antonio Ventura

Hoje, 20 de dezembro de 2004. 0h50. A chuva chegou à tarde e não parou até agora.Há muito tempo não via tanta chuva.Esta semana, sábado, comemoraremos mais um Natal, com a ceia começando na sexta-feira, exatamente à meia noite.Soltarão fogos de artifício.Natal, com comida farta, leitoa,frango caipira, arroz, maionese, farofas, e, quem sabe, carneiro.E uvas, abacaxis, melancias.Mas dizem que o Natal representa o menino que nasceu em uma manjedoura, jurado de morte, um dia morreu justamente para que entendêssemos que todos somos irmãos, nascidos da mesma matéria, da mesma chuva milenar, dos mesmos átomos que deram origem às esferas dos DNAs.Resumindo, o filho do homem queria dizer: olha, eu sou eu e sou você, sou esta chuva, este sol sobre a terra, esta pedra, esta árvore, este céu que nem sempre está azul e que nem sempre à noite está abarrotado de estrelas.Por isso ele veio para nascer, morrer e renascer a cada dia de sol, a cada dia sobre os campos de trigo.É por isso que um dia eu te chamei de pai, irmão, mãe e te disse que somos todos iguais, embora alguns mais divinos que outros.Os divinos são deuses.Os não divinos sofrem, porque são pobres de espírito.Mas a chuva cai mansamente e parece que vai varar a noite.Chove e a chuva faz barulho de água caindo em cima dos toldos, dos telhados, das plantas.Na verdade somos feitos de água, que mata a sede dos rios.Só não mata a sede do mar, que é salgado, e está sempre com sede.Por isso que o mar não descansa, sempre atormentado de areia e sal e sol.Ah!Que saudades do mar, daquele mar remoto, tão remoto que está presente no meio das algas marinhas, batendo nos rochedos de pedra bruta.Pedras de cores escuras, a chama das lavas solidificadas formou os rochedos cinzentos.Belas são as espumas, chegam nas areias quase brancas e espumando voltam para as águas.Muitas espumas são tragadas pelas areias, quando as brancas espumas vão e voltam, voltam e vão.E este é o destino dos homens, o destino do mar e das pedras, ir e voltar, trazendo as gaivotas e outros animais marinhos, que voam circundando as praias.Além do mar não existe nada.Apenas silêncio.Eterna idade.E o triste destino das gaivotas, que morrem brancas nas praias.Felizes, porque não sabem que morrem.


Vamos Lá - Antonio Ventura

Vamos lá, tá tá tá.Tá?E se não tá?Se não tá, torna-se fubá.Tico tico no fubá?Nem tico tico nem cá nem lá.Jatobá, e tudo vira mingau?Au, au.Que tal?A prisão eu vi do preso.E o preso éramos nós,retrós.Liberdade, pela janela, o sol.Mas tem sempre o fulano de tal.E nada no lençol.Nem eu, nem nós.Se peidar o bicho pega, ou cheira?Nem cheira, nem eira e nem beira.Na ribanceira fica a peidorreira.Sem uva na parreira, a parreira não existe, mesmo verde.Que te quero verde.Como os ventos.Cataventos.Moinhos.Toninhos.Chuva, enxurrada, pés descalços.Aqui, agora.A eternidade é o nada, da cagada.Pelada.Embananada.Como o nada, sem meninada.Sem passarada.É piada.Que não gosto.Desgosto.Mês de agosto.É passado. E o futuro?Procuramos.Na madrugada.Sem nada.Sem sonhos no mundo.Raimundo.Vagabundo.Bunda.Muda.Vulva.Pinto.Peito.Tudo bem, quando tem.O amor de alguém. Vagalume tem tem, teu pai tá aqui, tua mãe também.Pirilampos, tem no campo.Ah, que acalanto.No entanto.O canto, ficou no canto.Quieto.Apenas quieto.Não morto.Mas vivo.O anjo torto.


Antonio Ventura - O Guardador de Abismos

Minha primeira namorada, pai, foi uma estrela.
Conta pra todos.


Eu Posso Sim

Eu não posso ler
um livro
que eu não goste,
mas eu leio mesmo assim.

Eu não posso estudar
o que não me interessa,
mas eu estudo mesmo assim.

Eu não poso comer
comida
com açúcar,
mas eu como mesmo assim.

Eu não posso escutar
músicas
que me depreciam,
mas escuto mesmo assim.

Eu não posso fazer
tudo a contra-gosto,
mas faço mesmo assim.

Eu não posso viver
a vida
que não é minha, 
mas vivo mesmo assim.

Eu não posso ser
uma outra pessoa
senão eu mesma,
mas sou mesmo assim.



Ensaio 57

Agora que cresci 
entendi
que os contos de fada
são a fantasia
da realidade onde
existe a princesa presa
na torre do castelo
onde vigia o dragão
e o príncipe chega
e salva a princesa.

Trabalho e escola.
Enfrento dragões todos os dias.
Meu príncipe, querido,
me salva desta realidade
em seus abraços e beijos.


Diálogo 68

Vou cometer
um crime passional
contra
eu mesma.


O Mundo de Sol

Lembro-me que o mundo
era uma bolha de sabão.
Eu era inocente de qualquer crime,
criança.

O Raio de Sol foi
iluminando a bolha
de mansinho, afinando-a,
desfazendo-a, iluminando
aquele mundo escuro
e desconhecido, de fora da bolha.

Não senti medo de voar,
não sentia lágrimas nos olhos.
A Fada criança usa a mesma veste
transparente.
Sabe,agora, que o mundo também
é colorido, e que as bolhas
coloridas na verdade
apenas refletiam em si
os reflexos do Sol.

O Raio de Sol iluminou
todo o mundo,
e a Fada percebeu que
podia voar tranquila,
porque o Raio de Sol
sempre estaria
iluminando o mundo e
mostrando o colorido
que arrancava do arco- íris
e colocava nas asas da
Fada.

Ensaio 56 - Algumas Falatórias Andando Pela Rua

Eu invento personagens
para as pegadas
de cimento
da calçada...


Você é
uma poesia
escrita de repente
na minha vida...



O lugar onde fica
a aliança
pesa mais
quando está vazio.




Meus pés
estão
machucados
de andar
no cimento...


segunda-feira, 8 de setembro de 2014