segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Vamos Lá - Antonio Ventura

Vamos lá, tá tá tá.Tá?E se não tá?Se não tá, torna-se fubá.Tico tico no fubá?Nem tico tico nem cá nem lá.Jatobá, e tudo vira mingau?Au, au.Que tal?A prisão eu vi do preso.E o preso éramos nós,retrós.Liberdade, pela janela, o sol.Mas tem sempre o fulano de tal.E nada no lençol.Nem eu, nem nós.Se peidar o bicho pega, ou cheira?Nem cheira, nem eira e nem beira.Na ribanceira fica a peidorreira.Sem uva na parreira, a parreira não existe, mesmo verde.Que te quero verde.Como os ventos.Cataventos.Moinhos.Toninhos.Chuva, enxurrada, pés descalços.Aqui, agora.A eternidade é o nada, da cagada.Pelada.Embananada.Como o nada, sem meninada.Sem passarada.É piada.Que não gosto.Desgosto.Mês de agosto.É passado. E o futuro?Procuramos.Na madrugada.Sem nada.Sem sonhos no mundo.Raimundo.Vagabundo.Bunda.Muda.Vulva.Pinto.Peito.Tudo bem, quando tem.O amor de alguém. Vagalume tem tem, teu pai tá aqui, tua mãe também.Pirilampos, tem no campo.Ah, que acalanto.No entanto.O canto, ficou no canto.Quieto.Apenas quieto.Não morto.Mas vivo.O anjo torto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário