sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Milonga Amarga - Bebeto Alves



Depois de matear com uns amigos,
Deixei minhas tristezas maneadas
Lá onde o coração se conforta
E nunca falta um violão na conversa.
O brabo é aceitar a idéia da perda,
Permanecer fiel a esse amor,
Sem derramar uma lágrima à toa,
Limpando o pátio com a baia vazia.
E a quem importar quanto me doa,
Vou dando bóia às galinhas...

Os lugares que me viam abatido,
Sujeito estranho, um olhar distraído,
Não imaginam fazendo o meu momento,
Povoando a alma com a rima no ouvido.
Estendemos juntos os arreios à sombra,
O campo até parecia diferente...
Olhava em frente e nada faltava,
Como era mesmo o tempo da gente...
Toca vidinha uns "troço", à gosto,
Que eu faço gosto escutar...

Sou feliz porque assim deve ser,
Buscando em tudo urgência e prazer.
A vida é o livro, o poeta, o peão,
O patrão, a vítima, o ladrão...
Conforme a perda e a espera, ah! quem me dera
Mapear o verso com a cara do mundo,
Eu sei no fundo o resto é pouca miséria
Pra quem mobilha o galpão...
(Lá no coração do pampa,
Por quem se ama, eu ando louco de atar...)

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Redação - Estudo para Vestibular

Insegurança Quanto à Nacionalização de Empresas

             A energia é um setor estratégico para a economia do país, por isso, é de se esperar que  as nacionalizações das empresas de energia na Argentina e na Espanha tenham causado grande rebuliço, inclusive sobre os investidores estrangeiros desses dois países.
             Após um longo período de governo neoliberal onde quase todas as empresas  vinham sendo privatizadas, os dois governos tentam retomar a participação do Estado na economia através das nacionalizações, uma vez que as privatizações não geraram lucro econômico.
                  Por esta medida e outras ações intervencionistas por parte dos presidentes da Argentina, Cristina Kirchner, e da Espanha, Evo Morales, aumentou o receio sobre investimentos estrangeiros, como é o caso da Petrobras, que suspendeu parte dos investimentos na Argentina por não ter clareza com o que acontecerá no quadro econômico argentino.
             Enquanto a situação da nacionalização de empresas não se tornar estável e satisfatória em ambos os países discutidos, os mesmos não poderão contar com investimentos estrangeiros, pois não há uma lucidez para qual caminho seguirá a economia destes países. 
    







Redação - Estudo para Vestibular

Fracasso Ambiental Internacional

             É notável que a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, ocorrida em junho deste ano na cidade do Rio de Janeiro e conhecida como Rio+20, não alcançou os objetivos esperados, mobilizando a participação popular em campanhas pelas redes sociais.
             O principal assunto abordado pelos ativistas de ONGs e discutido nas redes sociais foi o fim dos subsídios à indústria do petróleo, tema abordado com irrelevância na conferência da ONU, e que não renova o compromisso político mundial com o desenvolvimento sustentável.
             O documento oficial da conferência foi lançado e intitulado "O Futuro que Queremos", e segundo Kumi Naidoo, ativista do Greenpeace Internacional, "é abstrato e não corresponde à realidade." Este apresenta falta de detalhes práticos de como os objetivos podem ser alcançados.Não passa de uma maquiagem, um marketing verde que não intervém na estrutura da economia internacional.
          Com as manifestações populares, espera-se que os governos dos países participantes da Rio+20 percebam que está na hora de colocar em prática as decisões prometidas na conferência para o desenvolvimento sustentável, apresentando medidas claras e coerentes para a economia sustentável internacional.
             


http://guiadoestudante.abril.com.br/blogs/atualidades-vestibular/como-a-rio20-pode-ser-abordada-no-vestibular/