segunda-feira, 13 de abril de 2015

Sacristia


Sinto muito.
Preferia não sentir nada.
Esse ódio, essa neura, essas cinzas...
Preferia sentir
apenas este cheiro
de sacristia.
Sinto muito.

4 comentários:

  1. Pode me explicar este? Gostei, apesar de não entender nada.

    ResponderExcluir
  2. Olá, obrigada pela sua participação aqui no blog!!
    Eu não sei se posso lhe explicar, porque a poesia é uma coisa que não se explica, ela se sente hehe...
    Mas não quero espantar ninguém do meu blog por não ter "entendido" (antes diria sentido) a minha poesia, então vou tentar fazer uma análise lírica desta poesia para você tudo bem? Espero que tudo bem hehe...Então lá vai:
    A poesia lírica é demarcada pelo subjetivismo e sentimentalismo, que é basicamente a renovação dos sentimentos toda vez que se lê a poesia.Os sentimentos ficam contidos nas palavras escritas, e talvez você se identifique com esta, porque sente algo parecido com o que senti ao escrever o poema. O sentimento fica eternizado no poema, e pode ser que daqui dez ou cem anos, alguém leia novamente este poema, e sinta a mesma coisa.
    Quando o eu lírico diz "sinto muito", remete à ideia de que algo aconteceu, uma coisa talvez triste, talvez um pecado que foi confessado,já que o tema é sacristia, Igreja...
    Nos versos seguintes percebemos que o sujeito lírico apenas se desculpa pelo sentimento que o perturba, e parece não se encaixar ao ambiente em que julgamos encontrar-se, a sacristia da igreja.
    É como se este sujeito lírico estivesse fazendo uma oração, estivesse talvez fazendo algum preparativo para a missa, ou para algum culto religioso, mas ao mesmo tempo, está com sentimentos que não são dignos de se sentir num ambiente como este. Então o eu-lírico pede o perdão. Para quem? Para Deus? Para a pessoa que lê o poema? Isto não sabemos, mas podemos fazer várias deduções, inclusive através da imagem, onde vemos um órgão de tubos, os bancos da igreja, e deduzimos que talvez seja uma igreja ortodoxa, talvez o sujeito lírico estivesse rezando nos bancos...Qual seria a interpretação?
    Uma coisa que aprendi sobre poemas, é que se nos identificamos com ele, é porque captamos seu sentimento, mas se não o entendemos, temos de relê-lo até que consigamos realmente senti-lo, realmente entendê-lo e descobrir porque aquele poema mexeu com nossa vida...
    Espero que tenha lhe ajudado a entender um pouco mais deste poema, espero que continue participando aqui.

    E deixo uma pergunta pra você responder aqui também: Você disse que gostou do poema mas não entendeu nada. Se você gostou, é porque alguma coisa entendeu. Talvez ainda não tenha descoberto o que é essa coisa, mas espero que com minha explicação eu tenha lhe ajudado a entender...Sendo assim, compartilhe aqui no blog o seu entendimento do poema...por que você gostou? O que lhe chamou mais a atenção? O que o fez gostar do poema? Como interpretaria este poema, o que acha que ele está falando?
    Não tenha medo de dar sua opinião, um poema nunca ´´e completo, e por isso podemos entendê-lo de milhões de formas diferentes...

    Mais uma vez agradeço a participação e espero que você deixe mais comentários por aqui, bons ou ruins, não importa, críticas são sempre bem vindas! ^^

    ResponderExcluir
  3. Olá, gostei da resposta! ^^

    Para começar, o que mais me chamou a atenção foi a foto, pois me identifico mais com imagens do que palavras. Essa imagem me passa aquele sentimento gostoso do silêncio de igreja, pois está vazia de pessoas.

    Aí, fiquei confuso com o verso "Esse ódio, essa neura, essas cinzas...", mas entendi, pela sua explicação, que são justamente os sentimentos atuais do eu lírico, que sente muito e preferiria sentir apenas o silêncio gostoso da igreja.

    E tudo o que envolve igreja sempre me atrai. ^^

    ResponderExcluir
  4. Isso mesmo!
    Fico feliz que minha explicação tenha lhe ajudado a compreender o poema! ^^
    Obrigada por participar aqui, pode voltar e soltar o verbo sempre que quiser!! ^^

    ResponderExcluir