sexta-feira, 26 de junho de 2015

O Tempo Passou Por Mim... - Guilherme de Almeida

O tempo passou por mim,
mas eu não passei por ele.
Eu sempre fui como aquele
meu recanto de jardim:

- se um amor se desfolhou
como uma rosa sozinha,
foi só por causa da minha
primavera que passou;

se estalou o coração
de uma cigarra indolente,
 foi simplicissimamente
porque passou o verão;

se as folhas partiram sós,
foi que, roçando os seus galhos,
e os meus cabelos grisalhos,
o outono passou por nós;

e se os ninhos já não têm
o doce calor das penas
palpitantes, é que apenas
o inverno passou também.

O tempo passou por mim,
mas eu não passei por ele.
Eu sempre fui como aquele
meu recanto de jardim.


terça-feira, 23 de junho de 2015

Sinfonias - Raimundo Correia

A lua banha a solitária estrada...
Silêncio!...Mas além, confuso e brando,
O som longínquo vem-se aproximando
Do galopar de estranha cavalgada.

São fidalgos que voltam da caçada;
Vêm alegres, vêm rindo, vêm cantando.
E as trompas a soar vão agitando 
O remanso da noite embalsamada...

E o bosque estala, move-se, estremece...
Da cavalgada o estrépito que aumenta
Perde-se após no centro da montanha...

E o silêncio outra vez soturno desce...
E límpida, sem mácula, alvacenta
A lua a estrada solitária banha...

terça-feira, 9 de junho de 2015

"E o Nome Dela Era Érica"



Por incrível que pareça, ela se chamava Érica. Me observava examinando os mínimos detalhes. Loira, quieta na sua, fechada. Não sabia direito se era comportada ou revoltada, roqueira, feiticeira, e agora, banheira. Me imitava. Quase podia vê-la toda de cor de rosa com um allstar roxo andando no meio-fio e cantando Érika Machado. Me penetrava com seu olhar desconfiado, sua expressão receosa... E o nome dela era Érica. O meu nome era Érica. Ela não era eu, tentava, mas não era. E muito menos eu era ela. Seria minha fantasia ali na minha frente? Ela parecia querer me dizer que eu a criara. Será possível a personagem realmente criar vida própria? Sair do pensamento para o papel, e do papel, tornar-se carne e osso? Fiquei assustada, impressionada... e ela fulminava-me com o olhar, tentando dizer algo... Era real? Ou apenas uma coincidência?Traços semelhantes...posso até mesmo enxergar o zíper que abre este disfarce. Mas será realmente possível, ou uma esquizofrenia? Ninguém nunca me contou que eu era assim... Estou com medo e dúvida... o que devo fazer? Quem é ela? Será que é mesmo Érica? Esta história que vos narro realmente acontece, é real. Quem não é real sou eu... e Érica.


"Mulher Feita"


Nova fase nesta vida.
Me desenvolvi
para além de menina-moça,
para além de moça,
para além de mulher.

Evoluí.

Estou pronta às novidades,
blindada de qualquer dificuldade,
pronta para novos passos.

Descer do salto e sair correndo
ou
subir no salto e sair voando.

Uso só vestidos. Terninhos.
Camiseta e calça jeans
nunca mais.
De moça comportada
vou virando mulher,
aberta a qualquer nova oportunidade.
Fácil não é,
sabemos o que é
calçar o salto...
Mas continuo nesse
desenvolvimento
me envolvendo na essência
de mulher feita.


segunda-feira, 8 de junho de 2015

Hinos dos Países de Fala Espanhola

Achei este vídeo interessante porque tem um pedacinho de cada hino e mostra um pouco de cada país de língua espanhola. Muito legal e bonito!


Cristobal Cólon - Oscar de Leon

Velha infância. Quem não lembra da Morgana do Castelo Ratimbum cantando esta música? "La Pinta, la Nina e la Santa Maria!"

Não achei a letra na internet pra deixar aqui...




sexta-feira, 5 de junho de 2015

Aniversário do Minestra



Não, não é o que estão pensando...não tem blog nenhum de aniversário...
Mas poderia ser... estou vendo aqui no arquivo do blog, que ele está com uma boa caminhada já...e pelo que consta pelo menos no arquivo, a primeira postagem que eu fiz aqui, foi no dia 20 de novembro...então se eu lembrar, acho que dá pra começar a comemorar o aniversário dele...afinal, a maioria das minhas coisas fazem aniversário, creiam-me...por exemplo, a Maria Antonieta, carinhosamente conhecida como Mari, que é a minha biz vermelhinha, baixinha, temperamental e invocada, igualzinha à dona, fez um ano neste ano de 2015, no dia 07 de fevereiro!!
Outra hora mostro a minha companheirinha de viagem por aqui pra vocês, ela é tão linda quanto a dona ;)
Mas não quero ficar falando da Mari, vim falar do Minestra mesmo, e dizer que acho que é hora de comemorar o aniversário dele...não porque todo mundo que tenha blog comemore os aniversários, mas porque como esse blog tem vida própria (às vezes tô dormindo à noite e meu blog sai andando do computador, vai no banheiro, bebe uma água...), e coisas que têm vida própria sempre fazem aniversário, é incrível...
Mas não vão pensando que é igual no Natal, que quem faz aniversário é Jesus e quem ganha presente são todas as outras pessoas que não têm nada a ver com a história...No dia do aniversário do Minestra, o que eu vou fazer é colocar alguma postagem comemorativa, algumas palavras de pêsame ( quando ninguém lembrar dele) e de euforia (quando tiver a fim, tem que fazer festa). Nada daquilo de fazer promoção, e dar prêmios para leitores, e todas essas coisas de "blog"...Está bem claro que o Minestra de Letrinhas não é propriamente um blog, e não tenho interesse nenhum em ficar paparicando leitores não. Se gosta de mim, gosta. Se não gosta azar, eu não vou ficar obrigando a voltar sempre no blog, mesmo porque nem implorando adianta, ninguém comenta, ninguém participa, uma vez que outra aparece algum comentário-alma penada por aqui, então porta-me lá com leitor...
(Quer ver que depois disso vai ter um monte de gente que vai deixar de seguir o blog? Nem tô, se tiver 42, cem, 1 ou nenhum leitor no meu blog, tô pouco me lixando, não tô aqui pra agradar ninguém, e muito menos o Minestra.)
Obrigada aos leitores fieis que me conhecem já, e conhecem também o blog, e não se sentem ofendidos com isso, porque sabem que não tem nada pessoal. Obrigada por continuarem suas críticas!

E fechando nosso assunto, então, esse ano vamos comemorar o primeiro aniversário do blog, que não vai fazer um ano não, mas vai ter sua primeira festa!! Estamos combinados de fazer esta festa no dia 20 de novembro...E pelamordedeus...não façam eu passar vexame, pelo menos no aniversário do Minestra, deixem um mísero parabéns a ele né, coitado, que alegra tanto a vida de vocês, pelo menos um abracinho ele tem que ganhar né...um mísero "oi, parabéns"...
Obrigada pela compreensão de todos vocês, caros leitores.
Abraços, até breve!

Livros para Ler Antes de Morrer



Já fiz isso aqui no blog há algum tempo, lembro bem...Mas esses dias fui à uma palestra de uma professora que apresentou um projeto muito bacana para seus alunos desenvolverem o gosto pela leitura (e que outra hora eu explico aqui). Aí essa professora, que se chama Fabiana, disse que ela deu liberdade aos alunos para escolherem os livros que queriam ler. Mas um deles não sabia o que ler, então colocou no google assim: "Livros que tenho que ler antes de morrer".
Eu fiquei curiosa para saber quais os livros que o google recomenda antes de morrer e pesquisei também. E fiquei horrorizada! Deus me livre, se temos que ler alguns dos livros que nos recomendam antes de morrer, prefiro não ler!!
A partir deste tamanho desgosto, resolvi refazer esta lista com alguns livros que eu já li e leria de novo...Aí vai:


  1. Maneco Caneco Chapéu de Funil - Luís Camargo
  2. Jim Knopf e Lucas, o Maquinista - Michael Ende
  3. Jim Knopf e Os Treze Piratas - Michael Ende
  4. A História Sem Fim - Michael Ende
  5. O Jardim da Meia-Noite  -Phillippa Pearce
  6. Os seis livros de  A Sétima Torre (O Castelo, A Queda, Aenir, Acima do Véu, Em Guerra e A Grande Pedra Violeta) - Garth Nix
  7. A História da Minha Vida - Tex Willer - Não sei o autor
  8. A Aventura da Escrita - Lia Zatz
  9. O Caso do Gato do Porteiro - Erle Stanley Gardner
  10. A Culpa é das Estrelas - John Green
  11. A Moreninha - Joaquim Manuel de Macedo
  12. A Tulipa Negra - Alexandre Dumas...
  13. Os Trabalhadores do Mar - Victor Hugo
  14. Capitão Tormenta - Emílio Salgari
  15. A Bolsa Amarela - Lygia Bojunga
  16. O Menino do Dedo Verde - Maurice Druon
  17. O Pequeno Príncipe - Saint Èxupery
  18. Quero Um Amor Para a Vida Toda - Diego Fernandes
  19. A Ilha do Tesouro - Robert Louis Stevenson
  20. Salada de Frutas - Mirna Forti
  21. Os Três Mosqueteiros - Alexandre Dumas
  22. Todos os livros do Senhor dos Anéis, inclusive O Hobbit - J. R. R. Tolkien
  23. O Retrato de Dorian Grey - Oscar Wilde
  24. O Futuro da Humanidade - Augusto Cury
  25. Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis
  26. Dom Casmurro - Machado de Assis
  27. As Crônicas de Nárnia - Clive Staples Lewis
  28. Fantoches e Outros Contos -Érico Veríssimo
  29. Breve História da Literatura Brasileira - Érico Veríssimo
  30. O Amor Esquece de Começar - Fabrício Carpinejar
  31. Todos os livros de Harry Potter - J.K. Rowling
  32. Anna e o Beijo Francês - Stephanie Perkins
  33. Um Porto Seguro - Nicholas Sparks


Só quero dizer que não está numa ordem de leitura, fui colocando conforme lembrava, lógico que os primeiros estão numa certa ordem porque os favoritos sempre lembramos primeiro...mas não precisa seguir nenhuma ordem porque todos eles eu já li, leria ou vou ler de novo.
Não tenho distinção de livro de criança, de livro de romance, de terror ou de qualquer outra coisa. Porta-me lá se alguém pensa que algum desses é ridículo. Eu gosto, e se quiser leio de novo quantas vezes quiser, igual ao Jim Knopf, O Jardim da Meia-Noite e o Quero Um Amor Para a Vida Toda, que no mínimo cinco vezes cada eu já li. Fora com preconceito, e se forem espertos, leiam todos esses! Boa leitura! Não morra antes de acabar essa lista...

Garden of Praise

Recomendo!!
A quem trabalha com biografias com crianças, com atividades em inglês, ensino da bíblia, ou a quem simplesmente ficar interessado...
Este site é totalmente mágico e lindo neste sentido!!
Mas claro, como nem tudo é perfeito, ele é em inglês...
Vale a pena conferir, nem que não saiba inglês, dá uma passeada por lá só para ver como ele é bonito, fofo e bem bolado... ^^



quinta-feira, 4 de junho de 2015

El Perrito de Rita

El perrito de Rita
me irrita.
Se el perrito de Rita
te irrita,
peça a Rita 
para trocar su perrito
por una perrita.

Traquinagem - Menino de Engenho - José Lins do Rego

    A estrada de ferro passava no outro lado do rio. Do engenho nós ouvíamos o trem apitar, e fazia-se de sua passagem uma espécie de relógio de todas as atividades: antes do trem das dez, depois do trem das duas.
    Costumávamos ir para a beira da linha ver de perto os trens de passageiros. E ficávamos de cima dos cortes olhando como se fossem uma coisa nunca vista os horários que vinham de Recife e voltavam da Paraíba. Mas nos proibiam esse espetáculo com medo das nossas traquinagens pelo leito da estrada. E tinha razão de ser tanta cautela: um dos lances mais agoniados da minha infância eu passei numa dessas esperas de trem. O meu primo Silvino combinara em fazer virar a máquina na rampa do Caboclo. Já outra vez, com um pano vermelho que um moleque pregara num pau, um maquinista parara o horário das dez. Agora o que meu primo queria era um desastre. E botou uma pedra bem na curva da rampa. Nós ficamos de espreita, esperando a hora. Quando vi o trem se aproximar como um bicho comprido que viesse para uma armadilha, deu-me uma agonia dentro de mim que eu não soube explicar. Parecia que eu ia ver ali perto de mim pedaços de gente morta, cabeças rolando pelo chão, sangue correndo no meio de ferros desmantelados. E num ímpeto, com o trem que vinha roncando pertinho, corri para a pedra e com toda a minha força empurrei-a pra fora. Um instante mais ouvi o ruído da máquina que passava.

Passeio Pela Praia - Capítulo 4 de A Montanha Mágica, de Thomas Mann



Pode-se narrar o tempo, o próprio tempo, o tempo como tal e em si?Não, isso seria deveras uma empresa tola. Uma história que rezasse: "O tempo decorria, escoava-se, seguia o seu curso" e assim por diante - nenhum homem de espírito são poderia considerá-la história.Seria como se alguém tivesse a ideia maluca de manter durante uma hora um mesmo tom ou acorde e afirmasse ser isso música.Pois a narrativa se parece com a música no sentido de que ambas dão um conteúdo ao tempo; "enchem-no de uma forma decente", "assinalam-no" e fazem com que ele "tenha algum valor próprio" e que "nele aconteça alguma coisa", para citarmos, com a melancólica piedade que se costuma devotar aos ditos defuntos, algumas observações ocasionais do saudoso Joachim, palavras essas que há muito se perderam no espaço; nem sabemos se o leitor é capaz de dizer claramente quanto tempo se passou desde que foram pronunciadas. O tempo é o elemento da narrativa, assim como é o elemento da vida; está inseparavelmente ligado a ela, como aso corpos no espaço. É também o elemento da música, que o mede e subdivide, carregando-o  de interesse e tornando-o precioso. Nesse ponto, como já mencionamos, assemelha-se à narrativa e difere da obra de arte plástica que surge diante de nós de uma vez, em todo o seu esplendor, e não se acha relacionada com o tempo senão à maneira de todos os corpos. A narrativa, porém, não se pode apresentar senão sob a forma de uma sequência de fatos, como algo que se desenvolve, e necessita intimamente do tempo, mesmo que deseje estar toda presente a cada instante que transcorre.

Hipopótamo - Olavo Bilac

Queria encontrar o poema inteiro, procurei de todo modo na internet e não achei, então vai só essa parte mesmo...Se alguém encontrar o poema inteiro, por favor, me avise, eu preciso dele.

A rugosa couraça, e
espedaçando os troncos
Das árvores, lá vão; e
hipopótamos broncos
De túmido focinho e orelhas eriçadas,
Batem pausadamente as
patas compassadas.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Diálogo 70

Aqueles dias
de vento,
e a televisão do
micro-ônibus
não funciona.
Fica estática.

Brilhante



Foi você quem me fez mulher.

O que faz a Flor crescer
é a chuva, mas
o que a faz bela e perfumada
são os Raios de Sol.
Assim como são 
os mesmos Raios de Sol
que iluminam a Lua,
solitária no céu estrelado,
e a fazem brilhar.

Foi você quem me fez brilhar.

O Sol brilha sempre, nunca se apaga, 
é o astro, a estrela que ilumina
todo o Sistema Solar.
Desde a menor estrelinha,
até a Lua solitária,
e todo esse brilho ilumina
toda a Terra.

Foi você quem me faz tão feliz.

Foi você.
É você.
É você que me faz completa.
É você que me faz amar tanto.

Você é o Raio de Sol 
que ilumina todos os dias
da minha vida.

Você ilumina meu caminho,
ilumina meu jardim, 
ilumina esta Flor,
ilumina este Satélite,
você ilumina toda a Terra
e me faz refletir o seu brilho.

É você quem me faz mais mulher.