segunda-feira, 6 de julho de 2015

Salve a Banda! (fragmento) - D. Marcos Barbosa

   Se o poeta Carlos Drummond de Andrade saudou a banda que passa, se o cronista Rubem Braga também lhe mandou seu aplauso e se comoveu com a lembrança da moça feia que a banda não esqueceu, como não haveria o padre, o monge, de alegrar-se também com o mundo que se torna de repente fraternal e unido pelas coisas de amor que a banda canta?

   Estava à toa na vida
o meu amor me chamou
pra ver a banda passar
cantando coisas de amor.

   A banda vai passando e vai chamando, e os homens vão saindo, por um instante, da sua concha, da sua crosta, do seu asteroide, cativados pela suavidade, pela festa, pela infância da música.
   Como é bonito vermos de novo este mundo congregado, reunido, se encontrando, por um instante ao menos, enquanto passa a banda. Esta banda, que é prima-irmã do Pequeno Príncipe, vai tirando os homens da solidão, e o eco já não responde mais: "Estou só! Estou só!".

A minha gente sofrida
despediu-se da dor
pra ver a banda passar
cantando coisas de amor.

   Quem leu o Pequeno Príncipe? O homem de negócios está só no seu asteroide, e o vaidoso também, e o bêbado também, e o sábio também, e o trabalhador também; pois o dinheiro, a vaidade, o vício, e até mesmo o trabalho e a ciência, levam à solidão - e mesmo à guerra - se não estão imantados pelo amor, transfigurados pelo amor; pois só o amor - "o amor que move o sol e as outras estrelas" - só o amor cria laços.
   
   E a bandinha passa "cantando coisas de amor". Os homens já não se sentem repelidos, mandados para o inferno, mas pensam: alguém pensou em mim, teve pena da minha solidão sem conhecer-me e manda-me esta mensagem que vai passando - e vai interrompendo, por um instante, a ganância do rico, a bazófia, a feiura da moça feia. Todos se encontram, de repente, naquela pausa, naquele intervalo que é música, sentindo a comunicação, a comunhão, a volta da infância e a sugestão de alguma coisa que talvez se possa esperar, e que por isso já se faz presente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário